quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

DICAS DE EMERGÊNCIA DO CORPO DE BOMBEIROS


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

SEGNEWS É PARCEIRO DO GIASES 2013


INVISTA EM TREINAMENTO DE SUA EQUIPE DE AGENTES ESCOLARES


ROUBO DE CARROS NO ENTORNO DE UNIVERSIDADE DE SCS


Motoristas que estacionam veículos nas imediações da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul) estão revoltados com os frequentes furtos de carros na região, localizada no início da avenida Goiás, bairro Barcelona. Reclamam, principalmente, da ausência da Guarda Civil Municipal (GCM) no local. A universidade informa que tem conhecimento do fato e que vai discutir o problema com o poder público, que na sua visão é quem tem a responsabilidade de garantir segurança ao cidadão.
Os últimos dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) apontam que São Caetano foi um dos únicos municípios a apresentarem queda de furto de veículos este ano. Foram registrados 16,76% menos furtos entre janeiro e setembro deste ano com relação ao mesmo período de 2011. O número corresponde a 114 casos a menos do que em 2011. O outro município que apresentou queda foi Ribeirão Pires, com 23,75%.
Rogério Alves (35) teve o veículo furtado na rua Anita Garibaldi, paralela à rua Alegre, há aproximadamente 10 dias. O técnico em áudio e vídeo estacionou o carro e, quando voltou para o local, não encontrou o veículo. “Estacionei umas 8h da manhã, quando voltei, umas duas horas depois, não tinha mais carro”, revela.
Segundo Rogério, ele não é o primeiro a ser furtado no local. “Já escutei várias histórias de pessoas que tiveram o carro assaltado ali”, diz. Para o técnico, o problema é reflexo da ausência do trabalho da GCM. “Para multar, a corporação sempre está presente, mas na hora de oferecer segurança os agentes nunca aparecem”, contesta.
Três furtos no ano
Estudante da USCS, Marcus Olivieri (26) sempre estaciona o carro nas imediações da universidade e já foi furtado por três vezes num intervalo de um ano. “Nas duas primeiras vezes foi só o estepe, um tempo depois levaram o carro também”, conta.

Depois dos incidentes, o consultor passou a deixar o carro num outro local, mais movimentado. “Agora estaciono na frente de uma igreja, onde sempre tem movimento, missas e um buffet por perto. Assim me sinto mais seguro”, desabafa.
Olivieri está revoltado. Diz que sempre há uma viatura da ronda universitária da Guarda Civil em frente à entrada da universidade, que fica a metros de onde houve os furtos. “Se tem segurança da própria faculdade, para que ter viatura da GCM parada ali? Para mim não faz sentido nenhum. Não é ali que ela devia estar”, indigna-se.
2º DP
Segundo o coronel José Belantone Júnior, comandante Interino da Polícia Militar no ABC, a quantidade de furtos na região é baixa. “Temos registrado, no 2º DP (bairro Barcelona), de agosto até hoje, cinco ocorrências de furto de veículo. De agosto para cá, os índices estão caindo”, aponta.

O comandante Belantone sugere que as pessoas procurem locais mais seguros para estacionar os carros. “O ideal é que o veículo não fique exposto em via pública. Se for deixar na rua, que seja em local iluminado, com presença de pessoas”, adverte.
Belantone afirma que o policiamento é intensificado de acordo com as estatísticas mais alarmantes. “Fazemos a prevenção, mas o proprietário também tem que cuidar do seu veículo”, ressalta.
Reitoria informa que vai contatar poder público
De acordo com Joaquim Celso Freire Silva, pró-reitor de extensão da USCS, a universidade tem ciência dos furtos. “Nós temos informações de que há uma série de ocorrências nas imediações da universidade, mas não podemos fazer um esforço de segurança externo porque não é nosso papel”, argumenta.
Para o pró-reitor, a solução está na conversa entre a universidade e o poder público. “Infelizmente temos um problema de segurança pública e uma das maneiras que a faculdade pode atuar é discutir com a segurança pública e procurar soluções”, diz. Questionada, a Prefeitura de São Caetano não se posicionou sobre o problema.
 


UNIVERSIDADES DISCUTEM SEGURANÇA



Seminário visa à integridade física e patrimonial nos campi
DILSON PIMENTEL
Da Redação

Discutir, de forma unificada, as questões relacionadas à segurança nas instituições públicas de ensino superior. Este é objetivo do XXI Seminário Nacional de Segurança das Instituições Públicas de Ensino Superior (Ipes), que a Universidade Federal do Pará (UFPA) realiza de hoje a sábado, 1º de dezembro, em Belém. Durante os seis dias de evento, ocorrerão palestras, painéis e reuniões entre os participantes.
E sobre a segurança no campus da UFPA, diz Francisco Lima, assessor de segurança da instituição: "Tivemos melhorias e avanços significativos. Hoje, a UFPA está qualificada como uma das mais seguras instituições de ensino superior". Segundo Lima, as ocorrências diminuíram significativamente em virtude das melhorias implantadas no serviço de segurança, tais como a parceria com a Polícia Militar e a instalação de 32 câmeras que monitoram, em tempo real, toda a cidade universitária, além de rondas constantes feitas por quatro viaturas adquiridas recentemente. Francisco Lima explica que, com a expansão permanente da universidade, "é claro que todo o sistema de infraestrutura também precisa ser melhorado e ampliado. E a segurança se enquadra nessa necessidade".
Em 2012, dentre as ocorrências mais registradas na UFPA estão o furto do patrimônio de terceiros, com 23 registros; furto de patrimônio da universidade sem arrombamento, com dez registros; suspeitos detidos e/ou retirados do campus, com dez registros; roubo com arma branca ou de fogo, com quatro registros; e arrombamento e/ou furto de veículo, também com quatro registros, informa a Universidade.
Informação divulgada pela UFPA, em setembro de 2011, revela que, nos dois últimos anos, caíram em 45,46% as ocorrências de crimes no campus da UFPA - conhecido como Cidade Universitária José da Silveira Netto, localizada no bairro do Guamá, em Belém. A redução dos índices na universidade está relacionada ao aumento em mais de R$ 2 milhões os investimentos na área de segurança da instituição, entre 2009 e 2011.
Quanto ao número de ocorrências nos últimos anos, a UFPA registra uma série histórica de redução. De 2000 a 2005, houve queda de 39,47% no índice de furtos, arrombamentos, assaltos e ameaças. De 2005 a 2009, a redução foi de 36,23%. De 2009 a 2011, a redução foi de 45,46%.

FONTE O LIBERAL

UFMS ADIA DECISÃO DE CONTROLAR ACESSO EM CAMPUS


UFMS adia decisão de fechar campus em Campo Grande

A medida faz parte do projeto de segurança da UFMS


LUCIA MOREL 
 
foto
Foto: Paulo Ribas/Arquivo
Universidade, agora, diz que vai discutir com a comunidade a restrição no acesso ao local


A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) não tem previsão de quando o acesso ao campus em Campo Grande passará a ser restringido. A promessa da reitoria da universidade no começo do ano letivo de 2012 era de que até o mês de julho,início do segundo semestre letivo, pedestres teriam de passar por catracas antes de entrar no local e apenas veículos identificados poderiam acessar o campus.
A medida faz parte do projeto de segurança da UFMS, implantado após abril de 2011, quando uma universitária foi estuprada dentro da universidade, próximo à ponte que dá acesso ao bloco de laboratórios. No plano, estava previsto o monitoramento por câmeras, cercamento e restrição do acesso.
A assessoria da imprensa da universidade informou, ontem, que o cercamento já foi finalizado, as câmeras estão instaladas em diversos pontos, mas há previsão de compra de novos equipamentos. Apenas para o cercamento do campus, a Universidade Federal investiu R$ 361 mil com recursos do Ministério da Educação (MEC).
Já sobre a restrição no acesso ao campus da Capital, a informação foi de que a obrigatoriedade da restrição será discutida com a comunidade acadêmica, mas sem data para realizar tal consulta ou debate. Tudo indica, que esse debate ocorrerá apenas em 2014.
Mais recursos estão previstos para a UFMS para o próximo ano. Na edição de ontem do Diário Oficial da União (DOU), foram destinados à instituição mais R$ 1,05 milhão através do plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). O valor deve ser destinado a obras de infraestrutura na Capital e no interior.  

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Encontro discute segurança em Universidades

SEMINÁRIO IPES EM BELÉM


Vigilantes da Ufma participam de Seminário das IPES em Belém




21 dez 2012
Delegação de servidores da Ufma durante Seminário das IPES em Belém

O Sintema enviou uma delegação formada por oito servidores Técnico-administrativos em Educação da Ufma para participarem do XXI Seminário de Segurança das IPES, realizado de 26 de novembro à 1º de dezembro, em Belém/PA.
José Francisco, Walter Júnior, Amandio Alves, João Saloné, Genivaldo Barbosa, Janivaldo Ribeiro, Edilson Lázaro e Paulo Vinho compuseram a representação dos Vigilantes da Ufma no evento. Além deles, Mariano Azevedo, presidente do Sintema, acompanhou todo o Seminário com o intuito de fortalecer a luta deste segmento da categoria.
Durante o Seminário foram discutidos temas como projetos de Lei em tramitação no Congresso Nacional, realização de concurso público, políticas afirmativas, qualidade de vida nas universidades, projetos de segurança para as IFES, entre outros.
Dentre as principais reivindicações dos Vigilantes de carreira das universidades federais de todo o país, é prioridade a luta pela realização de concurso público para preenchimento do cargo, já que o último fora realizado em 1993; a luta pela aprovação na Câmara dos Deputados e sanção presidencial para o PL 179 que concede adicional de risco de vida, e a implantação de projetos de segurança nas universidades com porte de arma para estes trabalhadores que atualmente desempenham suas funções de forma vunerável.
De acordo com, Walter Junior, que participou da comissão condutora do Seminário, a falta de servidores Vigilantes concursados e de carreira está sendo suprida de forma precária, por trabalhadores celetistas vinculados a empresas que não tem qualquer ligação funcional e vivência com as universidades.
Diferentemente do que aconteceu com os cargos de carpinteiro, pedreiro e copeiro, por exemplo, o cargo de Vigilante foi devidamente reconhecido e regulamentado com a edição da Lei 11.091/2005 que instituiu o Plano de Carreira dos Técnico-administrativos em Educação das universidades federais de ensino superior do país.
Atualmente, há 66 servidores Vigilantes de carreira ativos na Ufma. Eles desenvolvem as atividades laborais em escalas de plantão diurno e noturno nos diversos prédios pertencentes à universidade em São Luís.
Representantes da Fasubra participaram do evento e disseram que a Federação tem o compromisso de defender as pautas reivindicatórias dos Vigilantes, inclusive, a defesa da criação de um Projeto Nacional de Segurança para as universidades federais. A universidade federal do Rio Grande do Norte, de Pernambuco, entre outras, têm projetos deste tipo em vigência.
O próximo Seminário acontecerá na Universidade Federal de Juiz de Fora no segundo semestre de 2013. Edilson Lázaro e Paulo Azevedo fazem parte da organização deste próximo encontro.
Foi aprovada ainda, duas moções de repúdio durante o seminário. Uma para a EBSERH e outra para o ATENS (Sindicato recém criado de Técnico-administrativos de nível superior).
Ao final, foi discutido entre comitiva de servidores e o representante do Sintema, a possibilidade de realização de um evento local com o intuito de iniciar o debate com toda a comunidade da Ufma, acerca da criação e implementação de um Projeto de Segurança humanizado para a universidade. As discussões sobre o tema passarão pela diretoria do Sintema, e logo depois, serão levadas aos trabalhadores em assembleia geral.

Fonte: Imprensa Sintema.