sábado, 29 de junho de 2013

sábado, 15 de junho de 2013

CURTA A PÁGINA DO GIASES NO FACEBOOK








OBJETIVOS DO GIASES

Capítulo II  Dos Objetivos


Art. 3º. São os objetivos do GIASES:


1.      Congregar os profissionais da área de segurança patrimonial e do trabalho e seus subsistemas , que atuam em Instituições de Ensino Superior ( IES ) , através de reuniões e demais eventos delas decorrentes;
2.      Trocar experiências profissionais na área de segurança patrimonial e do trabalho e seus subsistemas, entre seus membros;
3.      Promover, entre seus membros, pesquisas periódicas ou eventuais, bem como estudos específicos voltados à segurança;
4.      Facilitar o intercâmbio profissional entre os membros do Grupo, de modo rápido, ainda que oficial, através do SEMESP;
5.      Permitir o conhecimento recíproco de Normas e Condutas Administrativas Internas de cada Estabelecimento de Ensino Superior, na medida do interesse do Grupo quando não reservadas, e sempre específicas da área de segurança patrimonial e do trabalho e seus subsistemas;
6.      Promover Palestras de interesse do Grupo, conduzidas por membros do mesmo ou convidados externos, sempre com prévia aprovação do assunto em reunião ordinária ou extraordinária do Grupo;
7.      Divulgar entre os membros do Grupo, técnicas e procedimentos administrativos, que visem eficácia e otimização de resultados aplicáveis à segurança, resguardando e respeitando direitos autorais, confidencialidade e demais cuidados de sigilo e reserva para com terceiros, sejam pessoas físicas ou jurídicas;
8.      Promover sob várias formas , a atualização e o aperfeiçoamento técnico, científico e cultural de seus membros no tocante à função de gestão de segurança patrimonial e do trabalho e seus subsistemas e a sua interface com as novas propostas e tendências da administração;
9.      Incentivar a produção de estudos, trabalhos e pesquisas na área pertinente nas IES, promovendo a sua divulgação entre os membros do GIASES, resguardando a intimidade e confidencialidade das IES, sempre que solicitado ou necessário;
10. Estudar tema da área de segurança patrimonial e do trabalho e seus subsistemas, principalmente os que estejam relacionados diretamente com as IES;
11. Analisar e debater demais assuntos correlatos de interesse dos profissionais da área pertinente, lotados nos Estabelecimentos de Ensino Superior;
12. Intercambiar currículo de candidatos ao mercado de trabalho, mediante recomendação, preferencialmente daqueles com conhecimentos específicos aplicáveis às IES;

13. Apoiar profissionais das área pertinentes, ex. membros do GIASES, que transitoriamente estejam sem vínculo empregatício, com indicações de oportunidades e referências.

 A REDAÇÃO

quarta-feira, 12 de junho de 2013

UNIVERSIDADES PÚBLICAS E SEGURANÇA

Falta de segurança preocupa estudantes de universidades públicas



A violência continua preocupando os moradores de São Paulo. Estudantes reclamam da violência em universidades públicas. Na USP, a falta de iluminação agrava o medo que os estudantes têm de assaltos.
A solução para o problema é simples: melhorar a iluminação. A reitoria da USP promete resolver o problema até o começo de 2014. Para quem estuda lá, é uma resposta que vem tarde, depois da morte de um estudante. A USP não é a única universidade do país a ser ameaçada pelo problema da violência.
Um campus na escuridão. Na USP, falta iluminação nas ruas e calçadas. “Dá muito medo porque uma vez que a gente não sabe quem está na próxima esquina, quem está atrás das arvores. Então para nós que ficamos até um pouco mais tarde na faculdade é muito perigoso”, afirma o estudante Lucas de Oliveira.
Os estacionamentos são mal iluminados. Um deles fica ao lado de uma área de mata. Tudo isso favorece a ação dos ladrões. Muitas vezes, o ataque ocorre quando a pessoa vem pegar o carro para poder ir embora.
“Geralmente eu estou de carro e fico com medo, olhando para todos os lados para entrar no carro e para sair”, conta a administradora Nilta Miglioli.
“Fico apreensiva. Passo correndo, já fecho os vidros. É complicado. Sem iluminação é terrível”, comenta a auxiliar administrativa Maria Salles.
Em 2011, durante uma tentativa de assalto, um estudante foi morto no estacionamento da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP.
O reitor disse nesta quarta (5) que serão investidos R$ 40 milhões em um novo sistema de iluminação no campus.  Ao todo, sete mil lâmpadas deverão ser instaladas.
“O campus foi colocado na prancheta, foram estudados os locais onde as pessoas passam mais, os locais mais perigosos. Nós sabemos que luz é segurança”, explica João Grandino Rodas.
A falta de segurança também atinge outras universidades. No Rio de Janeiro, a UFRJ diz que no campus do Fundão, em 2012, foram praticados 52 furtos, 20 roubos e nove sequestros-relâmpagos. Em janeiro e fevereiro de 2013, já foram 28 furtos e cinco roubos.
Em Minas Gerais, câmeras de segurança registraram quando bandidos armados entraram no prédio da engenharia da UFMG e fizeram 14 reféns - entre alunos, professores e funcionários. Os ladrões roubaram caixas eletrônicos e levaram as notas em uma mochila e em uma mala.
A Universidade Federal de Minas Gerais informou que está implantando há três anos um plano diretor de segurança que prevê aumento para 200 no número de câmeras de vigilância e instalação de sensor nas portarias.
A federal do Rio informou que está adquirindo 99 câmeras de segurança.

Fonte:G1 Bom dia Brasil - http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2




PROTEJA BRASIL


VAMOS FAZER O GIASES FORTE? PARTICIPEM...


SOMOS CONTRA O TRABALHO INFANTIL


FELIZ DIA DOS NAMORADOS AOS UNIVERSITÁRIOS DO BRASIL


JUNTOS SOMOS MAIS FORTES PARA SUPERAR AS CRISES